Tutorial: criando sua Storage com Windows Server 2012 R2

Este post pode parecer um pouco estranho para você, porém é completamente possível usar um servidor com Windows Server 2012 R2 como Storage. Existem varios recursos técnicos embutidos no sistema operacional que permitem que o mesmo trabalhe como storage e permita oferecer varios benefícios como:

 


 

– Tier de dados
– Pool de discos
– Thin provisioning
– etc

 


 

Se você não está convenciado então vale a pena assistir a estes vídeos que gravei explicando passo a passo como fazer isso, de forma simples e rápida:

 


 

Configurando uma Storage iSCSI no Windows Server 2012 R2
https://channel9.msdn.com/Blogs/TechNet-Series/Configurando-uma-Sotrage-iSCSI-no-Windows-Server-2012-R2

 


 

Transformando seu servidor em Storage
https://channel9.msdn.com/Blogs/TechNet-Series/Transformando-seu-servidor-em-Storage

 


 

Deduplicação de Dados
https://channel9.msdn.com/Blogs/TechNet-Series/Deduplicao-de-Dados

 


 

E então, o que achou dos recursos?

Nova série de vídeos – Azure MarketPlace

Se você está usando alguma solução de nuvem já deve ter ouvido de muitas fontes que é possível mover toda a sua infraestrutura local para a nuvem. Em parte, isso é verdadeiro, pois existem vários serviços locais que você possui um similar na nuvem. Todos os provedores de serviço na nuvem oferecem uma série de serviços básicos de infraestrutura (subnets, VPNs, regras de porta TCP, backup , etc). Entretanto outros serviços extras estão disponíveis na forma de marketplace, ou seja: você pode contratar estes serviços de terceiros e que são oferecidos através de uma loja virtual. A grande vantagem: quase todos estes serviços virtuais possuem a versão para ser instalada localmente na sua rede, porém demandam um bom tempo de implantação, etc. As soluções na nuvem disponíveis no Marketplace são mais rápidas de utilizar – em praticamente 10minutos você já consegue implantar e utilizar. Além disso consegue se aproveitar de outros recursos na nuvem, como alta escalabilidade, implantação rápida, etc. Muitas destas soluções aceitam o modelo de BYOL (Bring your own license – traga sua própria licença). Com isso se você já tem a licença do produto e está usando localmente na sua rede então você pode reaproveitar sua licença e mover pra a solução na nuvem.

Bom, todo este assunto é interessante mas fica difícil de visualizar como a solução funciona. Pensando nisso comecei um projeto piloto e produzi 3 vídeos explicando as soluções da Riverbed, Barracuda Networks e Veeam. Trouxemos os representantes de cada uma destas empresas e em um bate-papo com um quadro (digital) explicamos como cada solução funciona. Simples e direto ao ponto, com links extras para acessar e começar a testar a sua solução. Tem mais outros 3 vídeos que irei publicar em breve mas a ideia é entender rapidamente o que a solução oferece. Confira os 3 vídeos abaixo:

 

Riverbed

 

Veeam

 

Barracuda Networks


 

 

 

 

Pessoal, apenas uma observação: tive problemas com a iluminação, portanto não liguem muito para isso (por enquanto). Os outros vídeos já serão publicados corrigidos.

Hora de aposentar alguns cursos do MVA

 

Chegou o momento de iniciar um dos processos mais trabalhosos dentro do Microsoft Virtual Academy: a aposentadoria de cursos com mais de 2 anos de existência. Por muito tempo procuramos manter cursos de plataformas como Windows Server 2008, Office 2012, etc porém com uma nova onda de novas versões chegando é hora de aposentar e dar lugar a novos conteúdos.

O MVA tem por essência trazer conteúdos técnicos de novas tecnologias e esse caráter de inovação exige uma renovação constante. Enquanto alguns cursos serão desativados completamente e outros vão ter seus conteúdos atualizados. Um destes exemplos é o de Conceitos de Active Directory. Os fundamentos de Group Policy , OU, etc são os mesmos porém todo o material na época foi desenvolvido baseado em Windows Server 2008. Vamos renovar muitos materiais de cursos e esperamos que gostem desta renovação.

Além disso tivemos há pouco tempo a renovação do portal do MVA, com um visual mais moderno e melhor organizado por perfis profissionais.

Tem alguma sugestão de tema/conteúdo para o MVA? Deixe aqui seu comentário

Artigo novo no Blog dos Technical Evangelists

Ola pessoal

Publiquei mais um artigo no blog do LAB27. Desta vez o foco foi sobre um questionamento que tenha recebido frequentemente e é um topico bacana. Muitos que usam Windows 8/8.1/10 ja perceberam que seu boot é muito rapido, porém não sabem o motivo, usando o mesmo hardware que usavam com Windows XP ou Windows 7.
Gosto muito deste tipo de assunto pois performance é algo que todo entusiasta de computador sempre procura. Outra preocupação que tenho nos meus artigos (peço desculpas caso tenha falhado algum momento) é transmitir algo muito técnico de forma simples e de facil entendimento. Acredito que apenas escrever varios termos técnicos de forma complexa apenas atinge uma parcela pequena e meu objetivo é reduzir esta barreira de acesso a conteúdos técnicos.
Enfim, muito do que escrevi está baseado nos meus testes com vários tipos de notebooks e computadores. Este tambem é um assunto que tem um grande impacto quando falamos de TI Verde. Afinal economizar tempo de uso de processamento e bateria de forma eficiente é um ponto importante para economia de energia.

Enfim, sinta-se a vontade para comentar meu artigo lá no LAB27 ou aqui mesmo neste post.

Link do artigo: http://www.lab27.com.br/o-que-e-o-boot-rapido-do-windows/

Tempo de suporte para produtos

 

Se você é um gestor de TI ou administrador de rede deve ficar atento ao tempo de vida dos softwares (e hardwares) da sua rede. Independente do fabricante todos os produtos (sejam eles softwares ou hardwares e até mesmo outros itens de consumo) tem um tempo, após o lançamento do mesmo, que o fabricante suporta. Isto também é conhecido por alguns como garantia de produto e, após este período, o fabricante aplica outras regras para continuar a manter o suporte do produto. Um exemplo real é a compra de um carro. O fabricante de determinado modelo dá uma garantia de X meses/anos após a venda ou fabricação do mesmo. Durante este período você consegue achar as peças deste veículo mais facilmente, há manutenções (e recall quando necessário), etc. Após o período de suporte já começa a ficar mais difícil achar peças, a manutenção começa a ficar mais cara, etc. Até chegar ao ponto que não há mais peças.

TI não é diferente disso. Todo equipamento e software de qualquer fabricante tem um tempo de suporte e é responsabilidade do gestor de TI ou administrador de rede ficar atento a estes prazos. Para entender melhor o que isso significa é importante esclarecer alguns fatos:

  1. “Após o período de suporte o produto vai parar?”
    1. Não, não vai
  2. “O que acontece após o período de suporte?”
    1. No caso dos produtos Microsoft temos 2 períodos em geral: Suporte Básico e Suporte Estendido.
      1. Suporte básico: em geral após o lançamento do produto e (depende de cada produto) em média 5 anos depois o produto recebe todas as atualizações de segurança, novos recursos, etc. Documentação técnica via website (TechNet ou MSDN).
      2. Suporte estendido: após o período do suporte básico entra o suporte estendido (que pode durar mais X meses/anos dependendo do produto). Não há mais novas atualizações de funcionalidade e updates críticos são liberados ainda. Documentação técnica ainda permanece no site da Microsoft (TechNet ou MSDN).
  3. “O hardware do meu servidor está ficando obsoleto e não acho peças de reposição. Se eu virtualizar resolve?”
    1. Virtualizar apenas abstrai a camada de hardware. Ponto. De qualquer forma você tem que verificar se o Sistema Operacional deste servidor também está dentro do período de suporte. O mesmo vale para a aplicação que está em execução nesta máquina.
  4. “Não vou colocar a versão mais nova. Prefiro esperar o service pack ou estabilizar”
    1. Se você veio da época do Windows NT então esse tipo de argumento é muito comum. Basta lembrar a instalação do Option Pack com Service Pack 6a no Windows NT 4.0. Entretanto desde o Windows Server 2000 ocorreram grandes estabilidades no produto e atualmente o produto é muito estável. Outro problema é que a migração de sistema operacional e aplicativos fica mais complexa na medida que você se distancia das versões mais novas. Uma rede não é estática, mas sim dinâmica. Portanto constantemente você estará atualizando ou mantendo atualizado seu ambiente de rede.
  5. “Não vou atualizar agora porque não está dando problema”
    1. Esta é uma linha de raciocínio. Entretanto pense do seguinte ponto de vista de negócio:
      1. Se por acaso um sistema muito crítico da minha empresa parar e para corrigir vai ser mais caro e demorado porque estamos usando uma versão muito antiga de software então quem é o culpado? (essa é a pergunta que muitas empresas fazem quando há problemas)
        1. Manter versões antigas e sem suporte tem que ser uma decisão do gestor de TI e da diretoria. Afinal se é algo crítico e isso pode impactar o negócio então todos devem estar cientes. A responsabilidade tem que ser compartilhada com todos.
        2. Se você optou por manter versões antigas e sem suporte e não comunicou a diretoria sobre os riscos então é de bom tom repensar um pouco sobre isso. Isso pode trazer outra pergunta: “se você sabia do risco então por que não comunicou? ”
      2. Imagine outro cenário: você trabalha em uma indústria e um dos sistemas que controla a balança dos caminhões de carga roda um sistema bem antigo, escondido debaixo da mesa da portaria. Essa aplicação é antiga e roda em um desktop antigo, com sistema operacional antigo também. Um dia a aplicação para por algum problema no sistema operacional/hardware/aplicação e você parou toda a saída dos caminhões de entrega.

No fundo o que você deve fazer ao menos é calcular qual o risco de um sistema antigo parar e qual o tempo para colocar o mesmo no ar. Nessa hora você pode descobrir que o hardware/sistema operacional/aplicação são obsoletos e sem garantia.

Falando especificamente de Microsoft: temos um site público que você pode verificar por produto o seu tempo de suporte, além da data que o produto foi lançado, etc.

http://support.microsoft.com/lifecycle/search/

 

 

Em resumo: verifique não apenas os produtos Microsoft da sua rede, mas também de outros fabricantes que você tenha em funcionamento. Dores de cabeça podem ser evitadas tomando estas precauções.

 

 

 

Artigo novo – migração de sites locais

Já está no ar mais um artigo técnico que escrevi, desta vez focado na migração de web sites locais (usando IIS) para o Azure web Sites. Entretanto o artigo não está aqui no meu blog, mas no Blog que o nosso time de Technical Evangelists mantém. Este blog (Lab27) contém artigos únicos e por este motivo não faz sentido duplicar aqui no meu blog.

Link do artigo: http://www.lab27.com.br/migrando-web-sites-locais-para-a-nuvem/

 

Atenciosamente

Novo artigo técnico no ar… mas com um detalhe

Muita gente acessa meu blog por causa dos artigos técnicos, e devido a muita correria no meu trabalho não tenho feito tantos artigos quanto eu queria. Fazer um artigo tecnico requer tempo, pesquisa e não gosto de fazer muita coisa sem antes estudar a fundo.

O time técnico que trtabalho aqui na Microsoft é formado por especialistas em várias categorias (Game development, Open-source, Mobile, etc) e juntos fazemos parte do time de Technical Evangelists. Nossa função vai muito além de fazer apenas palestras, pois na maior parte dos casos ajudamos clientes e parceiros em cases de tecnologias novas e desenvolvimento de conteúdos técnicos. Basicamente exige conhecimento técnico e um pouco de marketing.

Para unificar melhor nossos posts e artigos criamos um blog técnico unico, chamado de Lab 27. Neste blog voce encontrará artigos exclusivos, portanto vou mudar um pouco o foco das coisas no meu blog. Os artigos que farei no meu blog não serão replicados no Lab 27 e vice-versa.

Meu primeiro artigo no Lab 27 trata de migração de web sites locais (usando IIS) para o Azure web Sites e espero que gostem. O link está aqui em:

http://www.lab27.com.br/migrando-web-sites-locais-para-a-nuvem/

[]´s

Microsoft Insights 2015 – Brasil

https://www.microsoftinsights.com.br/

Ontem lançamos o site oficial do evento Microsoft Insights 2015 no Brasil. Para quem não sabe também há uma edição americana do evento realizado pela Microsoft e agrega vários outros eventos em um único. Para quem já foi a um TechEd nos EUA ou em um Management Summit sabe o tamanho e a importância deles lá fora. No Brasil o nosso Microsoft Insights 2015 vai ter o TechEd dentro dele, para as trilhas técnicas. Evento tem data: 20 e 21 de maio, portanto prepare-se para tal.

Este ano teremos mais de 100 palestras e uma das novidades do time técnico que está coordenando as trilhas será a possibilidade de submeter sua palestra. Sim, você pode ter a chance de palestrar no Microsoft Insights (powered by TechEd) e para isso você pode submeter sua palestra aqui: http://aka.ms/insightscall4papers. Será uma oportunidade única de demonstrar e compartilhar seus conhecimentos com o mercado.

Este ano vou cuidar das trilhas de Office 365 e EMS (Enterprise Mobility Suite) + Windows Client. Algumas coisas que avalio na hora de escolher o palestrante:

– Capacidade para palestrar

– Fortes conhecimentos técnicos

– Experiência de mercado

Além disso existem outros critérios que avalio, como por exemplo comportamento em redes sociais. Sim, uma vez que a pessoa palestra e tem perfil público em rede social há a preocupação da visibilidade.

Em breve mais novidades do evento por aqui no meu blog!